Saturday, April 13th, 2024

Saiba como definir o risco de inadimplência!

Olá! Se você é empreendedor, provavelmente já se perguntou como lidar com o risco de inadimplência, certo? Neste artigo, vamos mergulhar nesse tema, explorando desde o que é o risco de crédito até estratégias práticas para minimizar os riscos e manter a saúde financeira do seu negócio. Acompanhe para descobrir como se proteger da inadimplência e manter seu fluxo de caixa saudável!

Muitos empreendedores possuem dúvidas sobre como definir o risco de inadimplência do seu negócio. Afinal, quais critérios usar, como determinar a liberação do crédito são algumas perguntas que carecem de respostas.

Ainda mais diante do aumento da inadimplência no país. De acordo com dados da Serasa, o Brasil registrou 65,2 milhões de consumidores inadimplentes em fevereiro de 2022, sendo que essa marca não era atingida desde maio de 2020.

Só em fevereiro, o número de inadimplentes subiu 0,54%, sendo que cada brasileiro, segundo a Serasa, deve em média R$ 4.042,08. Diante desse cenário, é essencial criar medidas para se precaver da inadimplência.

No entanto, antes de pensar em como definir o risco da inadimplência, é preciso entender o que é o risco de crédito.

O que é o risco de crédito?

O risco do crédito é a probabilidade de um cliente não pagar uma dívida. Inclusive, no cenário atual, a inadimplência pode ser vista em praticamente todas as operações financeiras. 

Portanto, a empresa precisa gerir esse risco de crédito, prevendo o descumprimento de acordos, assim como pensando em ações para minimizar os danos provocados.

Isso envolve diversas medidas que podem ser tomadas visando esse objetivo. Vale destacar que essa gestão é baseada em dois pilares: diminuição e proteção de risco de crédito.

Como definir o risco de inadimplência?

Para definir o risco de inadimplência é preciso, primeiramente, ter uma cultura de crédito consistente e bem alinhada às características atuais do mercado.

Além disso, é crucial capacitar todo o time para identificar os riscos em cada uma das operações que envolvem o crédito. Também é fundamental administrar os processos e os fluxos de informações da decisão.

A simplificação da comunicação é um outro fator que colabora para aumentar a transparência entre o departamento de crédito e os clientes da organização.

Tendo isso em mente, a empresa passa então a pensar em estratégias eficazes para a concessão de crédito.

Como implementar estratégias eficazes?

A implementação de estratégias eficientes de definição de riscos de inadimplência com objetivo de diminuir o seu impacto, precisa estar amparada no chamado 5 C´s do crédito:

  • caráter – termo ligado ao histórico financeiro do cliente e sua reputação no mercado;
  • capacidade – condições que o cliente possui de pagar uma dívida;
  • capital – patrimônio líquido do cliente, empresa e sócios;
  • colateral – garantias que serão oferecidas em troca do crédito;
  • condições – situação atual do cliente com expectativas sobre potencial ou declínio futuro.

Sendo assim, o ponto inicial para começar a definir o risco de inadimplência é levar em consideração cada um desses fatores antes da concessão de crédito.

Desafios para definir o risco da inadimplência

Existem alguns desafios que precisam ser superados no momento de se definir o risco. Afinal, nada é tão simples quanto parece.

O primeiro desafio diz respeito ao armazenamento de dados. Pois, se as informações não estiverem disponíveis de maneira fácil, pode acarretar em atrasos na emissão de relatórios importantes para análise.

Por isso, o acesso à informação precisa ser fluído e seguir um bom fluxo, sendo que os envolvidos no processo precisam entender com certa facilidade os dados, e isso só é possível se eles estiverem bem estruturados.

Outro desafio está na elaboração dos relatórios, pois se as informações não estiverem devidamente organizadas e classificadas, a elaboração delas se torna demorada e com grande possibilidade de erros.

A própria ausência de automação influencia também na gestão de risco, pois reduz a eficiência das operações, elevando o custo e fazendo surgir falhas com mais frequência.

Consequências de uma má gestão do risco

Quando o risco é mal gerido há uma redução da previsibilidade financeira, o que pode comprometer a saúde da organização piorando assim o EBITDA do seu negócio.

Isso gera um desequilíbrio do fluxo de caixa que pode elevar o custo financeiro da empresa, que muitas vezes precisa tomar empréstimos, ou até mesmo antecipar alguns recebíveis, pagando juros por isso.

Em virtude desse aumento do custo financeiro, a empresa precisa fazer um repasse de preço aos produtos, o que acaba tirando a competitividade do negócio, gerando um inchaço da estrutura financeira.

Em certos casos, esse inchaço pode inclusive levar a organização à falência. Por isso, é tão importante saber como definir o risco da inadimplência.

Como a gestão de risco ajuda a reduzir a inadimplência

A gestão de risco ajuda a organização a ter uma avaliação minuciosa do perfil do cliente que quer tomar o crédito. Ademais, colabora para a empresa estabelecer as cotas que podem ser dadas a cada cliente.

Por exemplo, um determinado cliente pode ter um bom histórico de pagamento, mas não ter uma capacidade muito elevada. Nesse caso, a empresa pode conceder créditos menores para ele, assim como faz uma administradora de cartões.

Ações para minimizar a inadimplência na empresa

Para minimizar a inadimplência, a empresa pode estabelecer algumas ações que ajudam na concessão do crédito e na diminuição do risco, sendo elas:

  • verificação do histórico do cliente;
  • checagem de informações jurídicas;
  • avaliação da capacidade de pagamento;
  • aquisição de clientes de menor risco.

Se a empresa contar com uma sistematização da inadimplência, ainda poderá categorizar os perfis de cada cliente, criando grandes grupos em um verdadeiro termômetro. Assim como faz o próprio score de crédito.

Além disso, o estabelecimento de limites e o acompanhamento de regras de crédito são essenciais para a diminuição do risco. Por exemplo, quando um cliente começa atrasar os boletos, seja um ou dois dias, ele cai de categoria.

Nesse sentido, fazer atualizações constantes de cada cliente é essencial para que a gestão de risco seja muito bem feita. E, claro, a ajuda da tecnologia é muito importante nesse momento.

Se você estiver começando a implantação desse controle, você pode baixar gratuitamente a planilha de controle da inadimplência da NFe.io. Com ela, você passa a ter uma gestão de risco de maneira muito mais efetiva.

Agora que você já sabe tudo o que precisa sobre como definir o risco de inadimplência do seu negócio, é só começar. Bom trabalho!Este artigo foi escrito por Gabriel Marquez, empreendedor e fundador da NFe.io, sistema de emissão e consulta de nota fiscal.

Guia Prático para Avaliação e Gestão do Risco de Inadimplência em Negócios

O artigo aborda a importância de definir o risco de inadimplência para os negócios, especialmente em um contexto de aumento da inadimplência no Brasil. Destaca-se a necessidade de entender o risco de crédito e implementar estratégias eficazes para sua gestão. São discutidos os desafios na definição do risco, as consequências de uma má gestão, e são sugeridas ações práticas para minimizar a inadimplência, como a verificação do histórico do cliente e a avaliação da capacidade de pagamento. O artigo é um recurso valioso para empreendedores que buscam fortalecer a gestão de risco de crédito em suas empresas.

O que é o risco de crédito?
O risco de crédito é a probabilidade de um cliente não pagar uma dívida, afetando todas as operações financeiras.

Como definir o risco de inadimplência?
Para definir o risco de inadimplência, é crucial ter uma cultura de crédito consistente, capacitar a equipe para identificar riscos e administrar os processos e fluxos de informações de decisão.

Quais são os 5 C’s do crédito?
Os 5 C’s são: caráter (histórico financeiro do cliente), capacidade (de pagar a dívida), capital (patrimônio líquido), colateral (garantias oferecidas) e condições (situação atual do cliente).

Quais desafios podem surgir ao definir o risco de inadimplência?
Desafios incluem o armazenamento e acesso a dados, elaboração de relatórios precisos e a ausência de automação, que pode reduzir a eficiência das operações.

Como a gestão de risco pode ajudar a reduzir a inadimplência?
A gestão de risco permite uma avaliação minuciosa do perfil do cliente, estabelecimento de cotas de crédito adequadas e implementação de ações para minimizar o risco, como verificação do histórico do cliente e avaliação da capacidade de pagamento.